em setembro, quebrámos o silêncio
sobre os cancros do sangue.
#SetembroRubro#Cancrosdosangue

A Campanha

A ADL (Associação de Apoio aos Doentes com Leucemia e Linfoma), a APCL (Associação Portuguesa Contra a Leucemia), a APLL (Associação Portuguesa de Leucemias e Linfomas) e a SPH (Sociedade Portuguesa de Hematologia) em parceria com a Janssen, companhia farmacêutica do grupo Johnson & Johnson, pretendem sensibilizar o grande público para estas doenças, tantas vezes silenciosas, mas devastadoras e que, infelizmente, afetam um número crescente de portugueses.

Queremos criar um marco no calendário. Para que haja mais informação e conhecimento.


É tempo de dar visibilidade a estas doenças, de prestar maior apoio a doentes e familiares, de reconhecer os profissionais de saúde que a elas se dedicam mas também de lembrar clínicos e investigadores que colaboram no desenvolvimento de novos tratamentos contra o cancro.”

Neste site pode encontrar todos esses momentos. Mas pode encontrar sobretudo mais informação sobre o que são os Cancros do Sangue, que tipos de Cancros do Sangue existem, a que sintomas deve estar atento, os meios de diagnóstico possíveis e os diferentes tratamentos.

Ajude-nos a vencer a iliteracia e a terminar com o silêncio em volta dos Cancros do Sangue. A sua voz também é importante. Pelo menos neste mês de Setembro, quebre o Silêncio!


Mais detalhes podem ser consultados no site da ADL, no site da APCL ou no site da APLL.

Setembro é o mês dos Cancros do Sangue.
É o mês de quebrar o silêncio.
#SetembroRubro#Cancrosdosangue

Ficheiros para Descarregar

Cartaz dos Hospitais8M
Folheto Digital1M

O que são os cancros do sangue?

O cancro é causado por uma disfunção no crescimento e comportamento celular. Num corpo saudável, novos glóbulos brancos são gerados regularmente para substituir os mais antigos. Contudo, em alguns casos, a produção excessiva de glóbulos brancos na medula óssea caracteriza o aparecimento de diferentes tipos de cancros do sangue.

Mais detalhes podem ser consultados no site da ADL, no site da APCL ou no site da APLL.

Quem tem maior risco de desenvolvimento de cancros do sangue?

Os fatores de risco para o aparecimento de cancros do sangue não são totalmente compreendidos, embora se acredite que estes se desenvolvam a partir de uma combinação de fatores genéticos e ambientais. O tabagismo, a exposição à radiação e a exposição a produtos químicos como o benzeno (um produto químico industrial amplamente utilizado) têm sido associados ao aumento do risco de alguns tipos de cancros do sangue. O vírus de Epstein-Barr, o vírus da imunodeficiência humana (VIH), ou outras infeções por vírus associados ao aparecimento de neoplasias hematológicas também são fatores de risco para o desenvolvimento de linfomas e leucemias.

Mais detalhes podem ser consultados no site da ADL, no site da APCL ou no site da APLL.

Quantos tipos de cancro do sangue existem?

O que é?

A leucemia é o cancro de glóbulos brancos ou células que se diferenciam em glóbulos brancos. A leucemia impede que os glóbulos brancos lutem contra infecções no corpo. A leucemia pode ser aguda (com um crescimento rápido) ou crónica (com um crescimento mais lento), e pode afetar os linfócitos (leucemia linfocítica) ou outras células do sistema imunológico (leucemia mieloide). As leucemias são o tipo de cancros do sangue mais comum em crianças menores de 15 anos.

Diagnóstico

O seu médico precisará de confirmar o diagnóstico por via de uma biópsia, que remove uma pequena parte do tecido para ser examinada ao microscópio. Em alguns casos, o médico também pode solicitar um raio-X, uma tomografia computadorizada (TAC) ou uma PET para detetar nódulos linfáticos inchados.


Mais detalhes acerca destes diagnósticos podem ser consultados no site da ADL, no site da APCL ou no site da APLL.

O que é?

O linfoma é o cancro do sistema linfático (uma parte importante do sistema imunológico), particularmente dos gânglios linfáticos (pequenas estruturas em forma de feijão do sistema linfático que filtram as substâncias nocivas). Afeta um tipo de glóbulos brancos denominados linfócitos. Um dos linfomas melhor estudados é o linfoma de Hodgkin (ou doença de Hodgkin). Todos os outros linfomas são chamados de linfoma não Hodgkin. Os linfomas são a forma mais comum de cancro no sangue em adultos, sendo responsável por mais da metade de todos os casos de cancro no sangue diagnosticados.

Diagnóstico

O seu médico precisará de confirmar o diagnóstico por via de uma biópsia, que remove uma pequena parte do tecido para ser examinada ao microscópio. Em alguns casos, o médico também pode solicitar um raio-X, uma tomografia computadorizada (TAC) ou uma PET para detetar nódulos linfáticos inchados.


Mais detalhes acerca destes diagnósticos podem ser consultados no site da ADL, no site da APCL ou no site da APLL.

O que é?

O mieloma múltiplo é o cancro das células plasmáticas, que são linfócitos que produzem anticorpos para nos protegerem contra infecções. O mieloma múltiplo afeta o sistema imunológico do corpo, deixando-o suscetível a infecções.

Diagnóstico

O seu médico começará por pedir um hemograma completo ou outros exames de sangue, ou urina, para detetar produtos químicos ou proteínas produzidas em excesso, que possam ajudar a indicar o grau de desenvolvimento do mieloma múltiplo. Em alguns casos, biópsia da medula óssea, raios-X, ressonância magnética, PET ou tomografias computadorizadas podem ser usados para confirmar a presença e extensão da disseminação do mieloma múltiplo.


Mais detalhes acerca destes diagnósticos podem ser consultados no site da ADL, no site da APCL ou no site da APLL.

Quais são os sintomas dos cancros do sangue?

Os sintomas de cancro no sangue variam de acordo com a doença, mas geralmente incluem:

Febre
Arrepios
Fadiga
Fraqueza
Dores ósseas e articulares
Perda de peso

O inchaço dos gânglios linfáticos, fígado e baço também são comuns, e alguns cancros do sangue podem levar ao aparecimento de anemia.

Mais detalhes acerca dos sintomas característicos de leucemias, linfomas ou mieloma múltiplos, podem ser consultados no site da ADL, no site da APCL ou no site da APLL.

os cancros do sangue pintam um cenário negro, mas este setembro os seus doentes contam consigo
para lhe dar cor.
#SetembroRubro#Cancrosdosangue

Que tratamentos são utilizados para os cancros do sangue?

O tratamento dependerá do tipo de cancro do sangue diagnosticado, da idade da(o) doente, da rapidez com que o cancro está a progredir e da extensão do cancro noutras partes do corpo. Como os tratamentos para cancro do sangue melhoraram muito nas últimas décadas, muitos tipos de cancro no sangue são agora tratáveis, e os efeitos dos tratamentos têm sido cada vez melhores. Os tratamentos comuns incluem o seguinte:

Quimioterapia

Fármacos antitumorais que são introduzidos no corpo (por meio de injeção na veia, ou por via subcutânea, ou até por via oral – em forma de comprimido) para matar e interromper a produção de células malignas.

Radioterapia

Esta forma de tratamento usa raios de alta energia para matar as células cancerígenas.

Terapias direcionadas ao alvo

Esta forma de tratamento usa fármacos que matam especificamente as células malignas do sangue, sem prejudicar as células normais.

Transplante de células estaminais

As células que dão origem às células do sangue (células estaminais hematopoiéticas), quando estão saudáveis, ​​podem ser perfundidas no corpo para ajudar a retomar a produção de sangue saudável. Esta perfusão de células saudáveis, que irá substituir todas as células do sangue, acontece após um tratamento com quimioterapia que tenta destruir todas as células malignas presentes na(o) doente.

Cirurgias

Este tipo de intervenção envolve a remoção dos gânglios linfáticos afetados para tratar alguns linfomas.

Imunoterapia

Este tipo de tratamento ativa o sistema imunitário para que este ataque e elimine, especificamente, as células malignas.

Mais detalhes acerca de tratamentos mais específicos para leucemias, linfomas ou mieloma múltiplos, podem ser consultados no site da ADL, no site da APCL ou no site da APLL.

Plano Europeu de Luta Contra o Cancro

O cancro tem grande impacto na sociedade, economia e sistemas de saúde. Estima-se que o impacto económico global do cancro na Europa seja superior a 100 mil milhões de euros por ano.

Em 2020, a Comissão Europeia estabeleceu como prioridade ter uma União Europeia mais forte e resiliente no domínio da saúde.

O Plano Europeu de Luta Contra o Cancro é um dos principais pilares para a concretização deste objetivo e assume-se como o compromisso para inverter e melhorar a situação atual da luta contra do cancro na União Europeia.


Mais detalhes podem ser consultados no site da ADL, no site da APCL ou no site da APLL.

Saiba Mais